sexta-feira, 13 de outubro de 2006

Sobre o nada

Na anomalia de volver-me todo dia

Como querendo encontrar lucidez onde é loucura

Desconstruo o que me fiz

Quando perdi as fantasias

Um dia virá, quando, enfim,

No mergulho mais profundo

Poderei comungar comigo

A paz de não ser nada,

De não ter nada, do nada.

Fred Matos

2 comentários:

Agnaldo Caetano disse...

Gostei do seu blogger, voce tem msn
eu tambem faço poesia.. um grande

abraço agnaldo Caetano (sao cArlos)

msn: naldo_guina45@hotmail.com

fred disse...

Contente por me encontrar no seu blog.
Visite-me
Grande abraço.